Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Mato Grosso
Cuiabá
Goiás
GoiâniaAnápolis
Nordeste
Sergipe
Aracajú
Ceará
Fortaleza
João Pessoa
João Pessoa
Alagoas
Maceió
Rio Grande do Norte
Natal
Pernambuco
RecifeGaranhuns
Bahia
SalvadorFeira de SantanaIlhéusItabuna
Maranhão
São Luiz
Piauí
Teresina
Norte
Pará
Belém
Roraima
Boa Vista
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Tocantins
Palmas
Rondônia
Porto Velho
Acre
Rio Branco
Sudeste
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Rio de JaneiroAngra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéVolta Redonda
São Paulo
São PauloAraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaiLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposTaubatéSorocabaVotuporanga
Espírito Santo
Vitória
Sul
Paraná
CuritibaPonta GrossaFoz do IguaçuCascavelLondrinaMaringá
Santa Catarina
FlorianópolisBlumenauCriciúma
Rio Grande do Sul
Porto AlegrePelotasRio GrandeSanta Maria

Os perigos da comparação

Quase sempre, essa ação esconde a inveja. Você sabe reconhecer e se proteger desse hábito maléfico?

A comparação é uma das maneiras mais fáceis e certeiras de fazer alguém se sentir mal, inclusive quando comparamos a nós mesmos com outras pessoas. Graças a esse hábito, é possível se sentir inadequado, inferior e, por vezes, injustiçado.

Se a comparação aparecesse sozinha, já seria ruim. Acontece, porém, que, normalmente, a comparação vem embrulhada na mais pura seda da inveja. A questão é que nem todo mundo consegue perceber, reconhecer e, principalmente, admitir isso. Caindo nessa armadilha, muitas pessoas que estão dentro da Igreja comparam suas vidas com as de pessoas que estão fora dela. Estão dando vazão a um sentimento que flerta perigosamente com o pecado.

Tome como exemplo a orientação de Asafe. Ele era sacerdote da Casa de Deus e, mesmo assim, fez comparações e precisou lidar com a inveja. Ao reconhecer, ele disse: “Quanto a mim, os meus pés quase que se desviaram; pouco faltou para que escorregassem os meus passos. Pois eu tinha inveja dos néscios, quando via a prosperidade dos ímpios.” (Salmos 73.2-3).

Conforme explica o Bispo Edir Macedo, por vezes, “até um servo de Deus sente inveja”. O importante é saber qual destino dar ela. Comentando o versículo supracitado, o Bispo pontuou que “o Texto foi dirigido pelo Espírito Santo” para que Asefe pudesse “falar e confessar quem ele era diante de Deus e a visão dele aos seus próprios olhos. [Ele] confessa o que muitos não querem, [o que] ficam segurando, fingindo que não têm.”

ASAFE À MODA ATUAL
Recentemente, o Bispo explicou que a inveja se trata de um pecado sutil: “Só Deus vê. Ninguém vê. Nem a própria pessoa é capaz de enxergar o próprio pecado. Mas esse pecado é o que leva muita gente a uma situação crítica, do ponto de vista espiritual. Foi a inveja que levou Caim a matar Abel. O primeio assassinato no mundo foi quando Caim matou seu próprio irmão por causa da inveja”.

Sobre as comparações, o Bispo explicou que, quando se tem a Fé no Senhor Jesus – “a Fé de verdade, sólida, sustentável”–, a pessoa não olha para ninguém, pois cuida apenas de si mesma. “Quando se começa a olhar para outra pessoa, é óbvio que vai descobrir coisas nessa pessoa; é óbvio que [algo] vai chamar a atenção, sejam os pecados, as conquistas, a beleza que ela tem. Você acaba desviando seus princípios e valores morais e espirituais das verdades e valores eternos para ficar observando a vida dos outros – se é bonita, feia, gorda, magra, se tem dinheiro, se não tem, se tem sucesso, se não tem, se tem família maravilhosa, se não tem, se é bem casado, se não é; observa a roupa que ela está vestindo, as atitudes daquela pessoa”. E o que isso traz de bom para sua vida? Nada.

Para onde não olhar
Asafe reconheceu que quase escorregou para a destruição por ter inveja dos néscios. E sua inveja nasceu, justamente, do hábito de se comparar com quem sequer se dedica a estar perto de Deus. Ele estava olhando para onde não deveria. “Ele ficava observando a vida alheia em vez de cuidar da própria vida e, então, quase se desviou. E muitas pessoas estão na mesma situação, quase se desviando da Fé.

São fiéis a Deus, mas elas mesmas não estão vendo os frutos da sua vida dedicada a Deus. Estão, antes, vendo os frutos da vida daqueles que não dão a mínima para o Altíssimo. E elas ficam com inveja porque as outras pessoas parecem felizes, parecem pessoas bem-sucedidas. Aí é que está o problema: ainda que não fique com inveja, só observar já é um pecado. É um pecado porque vai contra a sua Fé.

Você não tem que ficar observando beltrano ou sicrano. Você tem sua terra prometida para conquistar, que é a Salvação eterna”, alerta o Bispo Macedo. “Como acha que vai conquistar uma terra de tamanho valor, enquanto se está observando a vida dos outros?”, indaga ele.

O que falta a você?
Muitos sentem-se oprimidos pela vida que não têm. Ainda em Salmos (73.14), Asafe confessa o estado em que se encontra: “Pois todo o dia tenho sido afligido, e castigado cada manhã”. O próprio sacerdote, porém, dá a orientação sobre o caminho a seguir: “Quem tenho eu no Céu senão a Ti? E na terra não há quem eu deseje além de Ti.” (Salmos 73.25). Note que, ao perceber que Deus tem planos para si, Asafe encontra a verdadeira felicidade. Sente-se seguro e em paz.

Com base nisso, reflita: a grama do vizinho é mais verde? Você sente inveja dos que parecem mais felizes? Lembre-se: eles só “parecem” ter essa alegria, porque a verdadeira felicidade está em Deus.

A verdade é que, sempre que houver comparação, haverá dúvida em relação à fé. Se a visão míope faz vislumbrar uma vida como as estampadas nas capas de revistas e nas mídias sociais, o olhar com lupa deve mirar na própria condição espiritual.

Afinal, o que falta para você se sentir realizado: ter o estilo de vida dos que desconhecem a Deus ou manter a confiança nEle, sem desviar o olhar de Suas Promessas?

fonte: Universal.org

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.

dois − um =