Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Mato Grosso
Cuiabá
Goiás
GoiâniaAnápolis
Nordeste
Sergipe
Aracajú
Ceará
Fortaleza
João Pessoa
João Pessoa
Alagoas
Maceió
Rio Grande do Norte
Natal
Pernambuco
RecifeGaranhuns
Bahia
SalvadorFeira de SantanaIlhéusItabuna
Maranhão
São Luiz
Piauí
Teresina
Norte
Pará
Belém
Roraima
Boa Vista
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Tocantins
Palmas
Rondônia
Porto Velho
Acre
Rio Branco
Sudeste
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Rio de JaneiroAngra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéVolta Redonda
São Paulo
São PauloAraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaiLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposTaubatéSorocabaVotuporanga
Espírito Santo
Vitória
Sul
Paraná
CuritibaPonta GrossaFoz do IguaçuCascavelLondrinaMaringá
Santa Catarina
FlorianópolisBlumenauCriciúma
Rio Grande do Sul
Porto AlegrePelotasRio GrandeSanta Maria

Assuma a responsabilidade por sua vida

Assuma a responsabilidade por sua vida

Oser humano precisa basicamente de quatro coisas para viver: ar, água, alimento e alguém em quem colocar a culpa por seus problemas. Desde o Jardim do Éden, ele tem esse hábito de culpar os outros pelos seus próprios erros e por aquilo que é de sua responsabilidade. Isso é como uma doença que está no sangue do ser humano desde a infância. Se você notar duas crianças de 3 ou 4 anos brincando e de repente elas começarem a brigar, dificilmente você verá uma delas dizer “eu errei”, mas verá uma apontar o dedo para a outra. Ou seja, o ser humano tem esse mal de tentar encontrar um culpado quando, na maior parte do tempo, ele é o maior responsável por seus atos e também pela forma como reage àquilo que lhe acontece.

Se você tem um problema, você deve se perguntar “o que vou fazer a respeito disso?” e fazer. Isso é ser responsável. É preciso parar de se justificar ou de procurar um bode expiatório para colocar os fardos da sua vida, pois você não pode mudar ninguém nem o mundo. O que você pode mudar é a si mesmo e as suas atitudes.

Somos responsáveis pelo que pensamos, sentimos e pelo modo como reagimos ao que nos acontece. Então, em vez de procurar alguém para culpar, se torne especialista em fuzilar as desculpas que aparecem na sua mente e assuma sua responsabilidade.

Por exemplo, se você acha que não cresce no seu trabalho porque fulano o persegue e não o ajuda, o que você pode fazer sobre isso? Há duas opções: se não há o que fazer ali para crescer, peça demissão e você provavelmente poderá encontrar algo melhor; ou você pode ignorar essa pessoa e fazer o seu melhor, independentemente do que os outros acham porque Deus prometeu que é bom quando somos injustiçados fazendo o bem, porque isso nos torna humildes, perseverantes e nos ensina a ter paciência. Ou seja, isso faz você ganhar pontos com Deus, que poderá usar essa injustiça para fazer justiça na sua vida.

Então, pergunte-se: o que aconteceria se você tomasse para si a responsabilidade de tudo o que lhe acontece? O que aconteceria se isso se tornasse um pensamento, uma lei fixa que você determinasse para si mesmo? Pense.

fonte: Universal.org

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.

quinze + treze =