Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Mato Grosso
Cuiabá
Goiás
GoiâniaAnápolis
Nordeste
Sergipe
Aracajú
Ceará
Fortaleza
João Pessoa
João Pessoa
Alagoas
Maceió
Rio Grande do Norte
Natal
Pernambuco
RecifeGaranhuns
Bahia
SalvadorFeira de SantanaIlhéusItabuna
Maranhão
São Luiz
Piauí
Teresina
Norte
Pará
Belém
Roraima
Boa Vista
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Tocantins
Palmas
Rondônia
Porto Velho
Acre
Rio Branco
Sudeste
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Rio de JaneiroAngra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéVolta Redonda
São Paulo
São PauloAraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaiLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposTaubatéSorocabaVotuporanga
Espírito Santo
Vitória
Sul
Paraná
CuritibaPonta GrossaFoz do IguaçuCascavelLondrinaMaringá
Santa Catarina
FlorianópolisBlumenauCriciúma
Rio Grande do Sul
Porto AlegrePelotasRio GrandeSanta Maria

Música nova na Rede Aleluia

Nova música no ar! Na Rede Aleluia você pode escutar a música “Eras Tu”. Assista o vídeo com letra:

Escute essa e outras músicas na Rede Aleluia. Sintonize agora mesmo.

O que está por trás da sensação constante de cansaço?

Além de fatores físicos, algumas atitudes cotidianas podem piorar a sobrecarga mental e a fadiga. Saiba como reverter o quadro com ações simples

O que está por trás da sensação constante de cansaço?

Qual é o remédio para o cansaço? Uma boa noite de sono, muitos podem dizer. A resposta estaria correta há algum tempo, mas atualmente é cada vez mais comum o relato de pessoas que dormem pelo período adequado, mas, em vez de acordarem com disposição para mais um dia, já despertam cansadas e com vontade de ficar na cama. Para piorar, ao longo de todo o dia, elas são tomadas pela fadiga e a situação se repete dia após dia. Isso é normal? Segundo especialistas, não.

Vários fatores podem explicar esse quadro de fadiga crônica e um deles é a realidade atual. “Estamos passando por um momento bastante diferente, pois tivemos que nos adaptar algumas vezes nos últimos anos. Nós vivíamos num mundo, acordamos em outro e agora, depois de algumas mudanças, temos de nos adaptar mais uma vez. Esses processos, protocolos e novas rotinas que foram estabelecidas de um tempo para cá têm exigido demais do nosso processo mental e isso tem feito com que muitas pessoas entrem em estafa emocional”, diz a psicóloga Veruska Ghendov.

A estafa gera a sensação de esgotamento constante no indivíduo, ou seja, as semanas passam e, por mais que sejam realizadas pausas para descanso, a mente continua trabalhando intensamente.

O resultado disso são sintomas como desânimo, cansaço, dificuldade de lembrar das coisas, insônia, problemas de digestão e até palpitações.

Veruska faz um alerta sobre a atual situação: “temos percebido que o adoecimento emocional e físico tem aumentado muito como resultado dessa estafa e uma das grandes preocupações é que, além do desgaste emocional e do esgotamento mental, temos tido uma quantidade muito grande de pessoas que desenvolvem problemas psicossomáticos, como ansiedade em grau muito elevado, depressão, adoecimento em geral e até surtos. O nosso corpo e a nossa mente precisam ter períodos de recuperação e essas pausas não têm acontecido”, explica.

Sem limites
A pandemia trouxe uma nova realidade no mundo do trabalho: o home office. Se por um lado as pessoas passaram a desempenhar suas atividades no conforto de seu lar, por outro perdeu-se a noção de limite entre o tempo dedicado à vida profissional e à vida pessoal. Essa junção forçada também colaborou para a sensação constante de desgaste, já que foi registrada uma sobrecarga de atividades e pouco equilíbrio. No período mais crítico da pandemia, a situação ainda foi agravada pelo medo da Covid-19, a restrição para sair de casa e as mais variadas preocupações (com os filhos em aulas on-line, com o fechamento das empresas, com o emprego, com as dívidas, etc.). O esgotamento relacionado especificamente ao trabalho ganhou um termo próprio: síndrome de burnout. O problema se tornou tão comum que, desde o início deste ano, foi incluído na Classificação Internacional de Doenças (CID) da Organização Mundial da Saúde (OMS). Dessa forma, os profissionais diagnosticados com a enfermidade passaram a ter os direitos trabalhistas e previdenciários em caso de afastamento para recuperação.

Segundo Veruska, “mais um agravante é a quantidade de tempo que as pessoas estão se sobrecarregando por utilizarem de forma excessiva dispositivos como celular, tablets e computadores, que exigem e amplificam demais as conexões neuronais”. Dessa forma, a sobrecarga mental também estaria relacionada ao fato de o indivíduo viver constantemente em dois mundos: o real e o virtual. Se dividir entre essas duas realidades é cansativo. No mundo físico existem cobranças profissionais e pessoais e no mundo digital não é diferente.

As redes sociais, por exemplo, são plataformas desenvolvidas estrategicamente para manter o usuário o maior tempo possível conectado. Assim, o indivíduo produz conteúdo e consome o que está disponível. A rolagem infinita, na qual a informação nunca acaba, contribui para que a pessoa passe várias horas na rede. O que poucos se dão conta é que o excesso de conteúdo também é prejudicial para a mente, pois causa uma verdadeira “infotoxicação”.

Outro aspecto negativo é o uso dos dispositivos eletrônicos antes de dormir. O hábito afeta diretamente a qualidade do sono e, consequentemente, aumenta a sensação de fadiga. “Se a pessoa não consegue ter qualidade de sono, ela deixa de ter a reparação mental. Algo que atrapalha muito é o hábito de levar o celular para a cama. Dessa forma, as pessoas acabam ampliando a atividade neuronal e com isso não entram no processo de sono considerado saudável. Elas condicionam a mente a ficar olhando as mensagens e prejudicam o que é fundamental, que é a qualidade do sono”, detalha Veruska.

Driblando a fadiga
Há algumas causas físicas que também podem ser responsáveis pela fadiga crônica, como a ausência de ferro e magnésio. Por isso, é importante consultar um médico para eliminar essas possibilidades. O segundo passo é se dedicar ao processo de autoconhecimento e entender quais são os limites necessários para manter sua saúde mental. “Busque definir quanto tempo será dedicado ao trabalho por dia e quanto será separado para descansar ou distrair a mente com algo que possa ser diferente das atividades profissionais e das preocupações. Pode ser uma comédia, um bom filme ou um lazer ligado à natureza. Além disso, o sono é primordial. As pessoas precisam averiguar o quanto elas estão dormindo. Às vezes, a pessoa não tem condição de sair de casa no final de semana, mas tem como melhorar a sua qualidade de sono”, orienta. Segundo ela, esse comportamento é capaz de restaurar o equilíbrio mental.

Além disso, para ter um verdadeiro descanso à noite, é preciso investir na chamada “higiene do sono”, prática que incentiva a organização de hábitos antes de dormir, como reduzir a conexão com a internet uma hora antes de deitar, evitar comer alimentos pesados à noite, etc. “Eu acredito que priorizar a qualidade da saúde mental é uma questão de amor-próprio, pois essa atitude vai determinar o nível de satisfação e de qualidade de vida que a pessoa vai apresentar, seja ela profissional, seja afetiva ou social”, finaliza.

O perigo por trás do prejulgamento

Entenda por que é preciso analisar os fatos antes de formar uma opinião

O perigo por trás do prejulgamento

Qual é a sua postura quando lhe acusam? E quando expõem uma situação para saber a sua opinião, qual é a sua primeira atitude?

Continue lendo

Preocupada com a vida?

A intimidade e a confiança em Deus podem trazer paz e solução para os seus problemas

Preocupada com a vida?

Quando se convertem ao cristianismo, algumas pessoas acreditam que, a partir do momento que se entregam a Deus, terão uma vida perfeita, sem problemas, perseguições ou adversidades. No entanto não é bem isso o que acontece. Quem segue Jesus passa pelo que Ele passou, mas, com fé e confiança no Senhor, tem a segurança necessária para enfrentar dificuldades e a certeza da vitória, como Ele mesmo afirmou em João 16.33: “Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo”.

Continue lendo