Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Mato Grosso
Cuiabá
Goiás
GoiâniaAnápolis
Nordeste
Sergipe
Aracajú
Ceará
Fortaleza
João Pessoa
João Pessoa
Alagoas
Maceió
Rio Grande do Norte
Natal
Pernambuco
RecifeGaranhuns
Bahia
SalvadorFeira de SantanaIlhéusItabuna
Maranhão
São Luiz
Piauí
Teresina
Norte
Pará
Belém
Roraima
Boa Vista
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Tocantins
Palmas
Rondônia
Porto Velho
Acre
Rio Branco
Sudeste
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Rio de JaneiroAngra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéVolta Redonda
São Paulo
São PauloAraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaiLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposTaubatéSorocabaVotuporanga
Espírito Santo
Vitória
Sul
Paraná
CuritibaPonta GrossaFoz do IguaçuCascavelLondrinaMaringá
Santa Catarina
FlorianópolisBlumenauCriciúma
Rio Grande do Sul
Porto AlegrePelotasRio GrandeSanta Maria

Você tem evitado a maturidade?

Há mulheres que usam a inexperiência para justificar suas falhas, mas isso não as isenta de suas responsabilidades

Você tem evitado a maturidade?

A palavra imaturidade é definida no dicionário como qualidade, estado ou condição de imaturo; falta de maturidade. Em geral, a imaturidade está presente na vida dos jovens, o que é algo normal,

dada a falta de experiência e o pouco tempo de vida. No entanto, ela não pode ser usada como justificativa para comportamentos inadequados ou erros.
Muitas mulheres cristãs agem de forma inconsequente e alegam falta de experiência na tentativa de anular os erros cometidos. O que elas não percebem é que, mesmo que a imaturidade seja usada como desculpa, ela não é capaz de isentá-las das consequências de suas ações.

Esse assunto foi abordado pela palestrante Cristiane Cardoso durante uma meditação da série de Eclesiastes, disponível na plataforma Univer Vídeo. No episódio 21, Cristiane comenta que, normalmente, quando uma pessoa é jovem ou inexperiente em certas situações – como uma mulher recém-casada, que ainda está aprendendo a lidar com o casamento –, ela tem a tendência de se apoiar nessa questão. “Muitas mulheres dizem: ‘ah, eu sou novinha’, e, no subconsciente delas, acham que têm o direito de errar, mas a Palavra de Deus mostra que em tudo que fizer, trará Deus em juízo.”

Em outras palavras, a imaturidade não serve como defesa diante de Deus. Assim, a mulher precisa aprender a conviver com as consequências de suas ações. “Sua imaturidade não vai isentá-la de seus erros. Não interessa se você foi imatura em uma determinada situação e não sabia. A questão é: por que você não aprendeu? Muitas mulheres não querem aprender para viver sempre justificando seus erros”, frisa.

A palestrante ainda pontua que hoje em dia há muitas formas de aprender com pessoas mais velhas e criar conhecimento em várias áreas da vida, até mesmo em relação à fé e à espiritualidade.

“Quantas pessoas, por exemplo, não leem livros voltados a assuntos espirituais, como Mulher V, A Dama da Fé, Casamento Blindado, e outros que são específicos sobre certos assuntos, para depois dizer que não sabiam o que estavam fazendo?”

Deus, que é onisciente, conhece todas as intenções do coração de uma pessoa e sabe que, na verdade, o problema de muitas não é a imaturidade, mas a preguiça de aprender e de mudar o que deve ser mudado. “Muitas mulheres estão se gabando de sua juventude e inexperiência e isso se torna uma iniquidade diante de Deus, pois elas querem fazer o que seus olhos e coração desejam e deixam a maturidade para mais tarde. Porém, até que isso aconteça, elas estarão colhendo os erros cometidos no passado.”

Por isso, é necessário que cada mulher analise seus comportamentos e intenções todos os dias, pois essas atitudes definirão como será seu futuro. “Não deixe para mudar ou ser uma pessoa madura mais tarde, porque você colherá as consequências dos erros que cometeu na mocidade, como é o caso de muitas mulheres hoje”, conclui Cristiane.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.

18 − quatro =