Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Mato Grosso
Cuiabá
Goiás
GoiâniaAnápolis
Nordeste
Sergipe
Aracajú
Ceará
Fortaleza
João Pessoa
João Pessoa
Alagoas
Maceió
Rio Grande do Norte
Natal
Pernambuco
RecifeGaranhuns
Bahia
SalvadorFeira de SantanaIlhéusItabuna
Maranhão
São Luiz
Piauí
Teresina
Norte
Pará
Belém
Roraima
Boa Vista
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Tocantins
Palmas
Rondônia
Porto Velho
Acre
Rio Branco
Sudeste
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Rio de JaneiroAngra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéVolta Redonda
São Paulo
São PauloAraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaiLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSorocabaVotuporanga
Espírito Santo
Vitória
Sul
Paraná
CuritibaFoz do IguaçuCascavelLondrinaMaringá
Santa Catarina
FlorianópolisBlumenauCriciúma
Rio Grande do Sul
Porto AlegrePelotasRio GrandeSanta Maria

A adúltera e a Fabiane de Jesus

apedrejamento Veja as semelhanças entre o que houve há dois mil anos e o que aconteceu dias atrás.

Rabiscando o chão de terra com o dedo estava, rabiscando o chão de terra com o dedo permaneceu. Pouca atenção deu aos que se amontoavam ao redor dEle, todos inspirando ar e expirando desejo de vingança. A sede de sangue se desenhava nos olhos de cada um daqueles homens, mesmo dentro do templo do Senhor. Queriam a morte não apenas da mulher que arrastavam e humilhavam até  Aquele Juiz, mas também a dEle próprio.

Conhecendo desde há muito o ódio que crescia dentro daqueles escribas e fariseus, Jesus sequer levantou seus olhos quando acusaram a mulher de adultério.

“Mestre, esta mulher foi apanhada em flagrante adultério. E na lei nos mandou Moisés que tais mulheres sejam apedrejadas; Tu, pois, que dizes?”

Diziam isso como armadilha para punir também aquela ilha de harmonia que imergia no centro do mar de revoltosos, mas Ele sequer levantou Seus olhos.

Aquele Homem já completava anos caminhando de vila em vila, aldeia em aldeia, província em província, anunciando a Salvação para os homens, curando enfermos e distribuindo paz e esperança para os sofredores. Por isso incomodava tanto os poderosos. Ele lutava e pregava contra as injustiças, desafiando pacificamente aqueles que humilhavam o povo.

Injustiça e humilhação hoje

E quem eram os homens que, na segunda-feira (5), julgaram e “aplicaram pena” à ré indefesa e sem direito a palavras? Seriam eles pacificadores que saíram de suas terras para levar a “justiça” a outros povos? Seriam benfeitores que ajudam os mais necessitados? Médicos que curam? Acalentadores que dão esperança?

Difícil acreditar que as pessoas que espancaram Fabiane de Jesus no meio da rua durante o dia, no Guarujá (SP), possam ter essas missões em suas vidas.

Seria uma semelhança com os escribas e fariseus que abordaram Jesus? Com necessidade de vingança pulsando em suas veias, estes fizeram o que o Homem mais justo da História não fez: julgaram.

Mesmo que insistissem, fariseus não tiraram de Jesus uma única palavra de condenação. “Aquele que dentre vós estiver sem pecado seja o primeiro que lhe atire pedra”, disse Ele, e o mar de fúria se dissipou deixando jogada ali a ré.

Alguns podem pensar que, infelizmente, Jesus não estava ali para salvá-la. Enganam-se. Jesus não condenou a suposta adúltera, mas a orientou a não permanecer no erro.

E, ouvindo eles a resposta de Jesus, “…acusados pela própria consciência, foram-se retirando um por um, a começar pelos mais velhos até aos últimos.”

Que a consciência fale com cada um.

 

Universal.org

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.

6 + 14 =