Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Mato Grosso
Cuiabá
Goiás
GoiâniaAnápolis
Nordeste
Sergipe
Aracajú
Ceará
Fortaleza
João Pessoa
João Pessoa
Alagoas
Maceió
Rio Grande do Norte
Natal
Pernambuco
RecifeGaranhuns
Bahia
SalvadorFeira de SantanaIlhéusItabuna
Maranhão
São Luiz
Piauí
Teresina
Norte
Pará
Belém
Roraima
Boa Vista
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Tocantins
Palmas
Rondônia
Porto Velho
Acre
Rio Branco
Sudeste
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Rio de JaneiroAngra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéVolta Redonda
São Paulo
São PauloAraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaiLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSorocabaVotuporanga
Espírito Santo
Vitória
Sul
Paraná
CuritibaFoz do IguaçuCascavelLondrinaMaringá
Santa Catarina
FlorianópolisBlumenauCriciúma
Rio Grande do Sul
Porto AlegrePelotasRio GrandeSanta Maria

O que Deus encontra quando olha para a sua vida?

O que Deus encontra quando olha para a sua vida?

Dando continuidade ao que foi falado semana passada a respeito de que pelos frutos se conhece a árvore, o Bispo Renato Cardoso, na noite desta quarta-feira (22), durante reunião no Templo de Salomão, em São Paulo, abordou o assunto sobre o que Deus espera quando olha para a nossa vida.

No Evangelho de Lucas, capítulo 13, dos versículos 1 ao 5,  Jesus cita dois acidentes que aconteceram na época dEle. O primeiro foi um episódio em que os galileus estavam no Templo oferecendo sacrifícios a Deus, e por motivos desconhecidos até hoje,  soldados romanos entraram e mataram aqueles homens. Por isso se diz: “…cujo sangue Pilatos misturara com os seus sacrifícios” (Lucas 13:1).

O episódio seguinte foi a queda da torre de Siloé, que contabilizou 18 mortes. Ambos acidentes geraram uma grande comoção e as pessoas se questionaram sobre a razão daquilo ter acontecido. Por que Deus não os guardou?

O Bispo ressaltou que é comum esse tipo de pergunta ser feita quando alguma tragédia acontece. “As pessoas entram em conflito, porque pensam que Deus tinha que ter protegido”, explicou.

Naquela ocasião, pensaram que foi porque eles estavam sendo castigados por seus pecados. Porém, o Senhor Jesus não entrou no mérito da questão. Em outras palavras, Ele quis dizer que em vez de aquelas pessoas estarem preocupadas com o fato, elas deveriam se arrepender dos seus próprios pecados. Caso contrário, teriam um fim semelhante. Não porque seriam mortas pela espada, mas porque a morte física viria de igual modo e as fariam padecer na morte eterna, que é espiritual.

O Senhor Jesus estava dando duas lições:

A primeira: Cuide de sua vida. Você nada tem a ver com aquelas pessoas. Não queira tentar achar os motivos. Pois, nessa tentativa muitas pessoas se perdem. Há quem se diga ateu porque começou com estes questionamentos e desistiu de crer em Deus. Há coisas que nunca iremos entender nesta vida. Deus fala isso em Sua Palavra (Deuteronômio 29.29). “Se fôssemos conhecedores de todos os mistérios, não haveria necessidade de fé”, enfatizou o Bispo.

A segunda: Você precisa cuidar de sua vida porque só você pode salvar a sua alma, por meio de um caminho chamado “arrependimento”. “Se você não se arrepender, então não há perdão de pecados. E, sem perdão de pecados, não há Salvação”.

Investimento sem retorno

O Senhor Jesus, ainda sobre o assunto, contou-lhes uma parábola:

“Um certo homem tinha uma figueira plantada na sua vinha, e foi procurar nela fruto, não o achando; E disse ao vinhateiro: Eis que há três anos venho procurar fruto nesta figueira, e não o acho. Corta-a; por que ocupa ainda a terra inutilmente? E, respondendo ele, disse-lhe: Senhor, deixa-a este ano, até que eu a escave em redor e a esterque; E, se der fruto, ficará e, se não, depois a mandarás cortar.” Lucas 13. 6-9

O Bispo alertou que esta parábola não é sobre figos, nem tampouco sobre terra. É sobre pessoas. Assim como a árvore ocupa um espaço na terra e o seu dono espera frutos dela, Deus também espera frutos daqueles que estão plantados no Seu Reino.

Todo cristão tem que dar bons frutos. E os frutos de quem é salvo são almas. É o retorno por todo o investimento que o Pai tem feito em nossa vida.

“Será que você está ocupando a ‘terra’ inutilmente? Só consome e não contribui? Não produz frutos e ainda dá trabalho? Deus espera de nós frutos: fruto de arrependimento, fruto de pessoa salva, fruto do Espírito Santo. E se você é infrutífero, espiritualmente, o machado já está na raiz da árvore prestes a te cortar. O tempo se esgota. Essa história de que ‘nunca é tarde demais’ é mentira. Chega uma hora que vai fechar a oportunidade. A chance é agora”, finalizou.

Assista à reunião na íntegra no vídeo abaixo:

Fonte:Universal.org

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.

19 − 14 =