Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Mato Grosso
Cuiabá
Goiás
GoiâniaAnápolis
Nordeste
Sergipe
Aracajú
Ceará
Fortaleza
João Pessoa
João Pessoa
Alagoas
Maceió
Rio Grande do Norte
Natal
Pernambuco
RecifeGaranhuns
Bahia
SalvadorFeira de SantanaIlhéusItabuna
Maranhão
São Luiz
Piauí
Teresina
Norte
Pará
Belém
Roraima
Boa Vista
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Tocantins
Palmas
Rondônia
Porto Velho
Acre
Rio Branco
Sudeste
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Rio de JaneiroAngra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéVolta Redonda
São Paulo
São PauloAraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaiLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSorocabaVotuporanga
Espírito Santo
Vitória
Sul
Paraná
CuritibaFoz do IguaçuCascavelLondrinaMaringá
Santa Catarina
FlorianópolisBlumenauCriciúma
Rio Grande do Sul
Porto AlegrePelotasRio GrandeSanta Maria

Estudo aponta aumento de suicídio entre jovens após estreia da série “13 Reasons Why”

Após três meses no ar pela plataforma Netflix, houve um aumento de 13% nos casos. Entenda melhor

Por Rafaela Dias / Foto: Divulgação

A série “13 Reasons Why” (Os 13 porquês), lançada pela plataforma de streaming Netflix em março de 2017, conta a história de Hannah Baker, uma adolescente de 17 anos que tirou a própria vida. Em cada capítulo, a série traz questões como sexualidade, depressão, bullying, estupro e consumo de álcool e suicídio.

À época que foi lançada, a série causou discussões por todo o mundo. Entidades que atuam na prevenção ao suicídio criticaram o programa. Alguns especialistas também se manifestaram contra a produção.

E, claro, a preocupação é verdadeira. Um estudo publicado na revista Jama Psychiatry apontou que nos três primeiros meses após a estreia da série, houve um aumento de 13% em casos de suicídio entre jovens (homens e mulheres) de 10 a 19 anos. A pesquisa foi realizada pela Unidade de Promoção de Saúde Mental e Pesquisa Suicida da Universidade Médica de Viena.

Além disso, o estudo ainda apontou 66 casos a mais que o esperado entre os homens. Isso representa um aumento de 12,4%.

Semelhantemente, houve um aumento de 21,7% em casos de suicídio entre as mulheres no período de 1 de abril a 30 de junho de 2017.

“O fato de que esta associação foi vista apenas no grupo demográfico, que foi semelhante ao da garota de 17 anos da série – Hannah Baker -, e o aumento mais forte entre as meninas, bem como a ausência de alterações nos suicídios em outras faixas etárias, é, claramente, consistente como um possível efeito imitação”, declarou o Doutor Thomas Niederkrotenthaler, principal autor do estudo.

Má influência

Em entrevista ao programa “Brasil Notícias”, apresentado pelos jornalistas Ana Carolina Cury e Décio Caramigo, pela Rede Aleluia (99,5 FM) e Rádio Record (1000 AM), a psicóloga Mônica Raouf El Bayeh alerta que jovens podem ser influenciados pelo que assistem.

“O que passa pelo celular, internet e televisão dá a ideia do que pode ser feito. Então, coisas que não tinha pensado, você passa a pensar. Esse é o grande perigo das influências dos filmes, das séries e das músicas”, alertou a especialista.

Além disso, para Mônica, os pais devem estar atentos ao que os filhos veem e ouvem. “Quem é pai deve perceber o que está acontecendo e o que os filhos estão assistindo. Hoje em dia, os filhos assistem coisas sozinhos, mas nem sempre têm discernimento se aquilo é bom e que a pessoa que ele está admirando está fazendo um monte de besteira”, recomendou a psicóloga.

Semelhantemente, a Master Coach, Ana Paula de Freitas, ainda alerta que as informações consumidas pelo ser humano são armazenadas e podem influenciar nas atitudes.

“Os conteúdos pesados e negativos influenciam sim na nossa vida, uma vez que o nosso subconsciente registra como um arquivo de informações. Então, tudo o que nós assistimos e ouvimos influencia em nossas atitudes”, destacou Ana Paula.

Uma mentira que não deve ser propagada

A série conta a história de uma garota que se suicidou e deixou uma sequência de mensagens gravadas em fitas. Durante os episódios, pessoas que estariam relacionadas às causas pelas quais motivaram a jovem tirar sua vida, deveriam escutar.

Além disso, a série ainda apresenta conflitos que a maioria dos adolescentes enfrenta nessa fase da vida, que pode ser a mais difícil para o ser humano. Contudo, nas entrelinhas, a série sugere que a única forma de acabar com o sofrimento causado pelo bullyingdepressão e abuso é a automutilação e o suicídio.

Uma narrativa bem construída no aspecto técnico, mas nada verdadeira. Aqui em nosso portal Universal.org, por exemplo, constantemente são apresentados casos de pessoas que conseguiram vencer a depressão e o desejo de suicídio.

Cláudia Sofia Cruz, de 19 anos (foto ao lado), por exemplo, é portuguesa, vive em Lisboa, em Portugal. Ela conta que o bullying e os problemas familiares foram fatores determinantes para que ela se sentisse deprimida e tentasse o suicídio.

“Eu sofria bullying, mas achava que ia passar. Até que um dia me derrubaram e eu fui parar no hospital com traumatismo craniano”, recorda a jovem.

Após o acontecimento, Cláudia passou a se cortar para sentir-se aliviada daquele sofrimento. “Entrei em depressão e pensava que a culpa de tanto sofrimento era minha.  Vivia isolada no quarto. Quem me via, achava que eu estava bem, mas se eu falasse sobre bullying eu chorava. Eu me cortava, desfalecia e caía no chão. Eu sabia que não iria acabar, mas aliviava o que eu estava sentindo”, relata

Contudo, um dia Cláudia foi apresentada à fé. Uma fé inteligente e funcional que a ajudou e superar a depressão e o desejo suicida. “Me libertei dos complexos, da depressão, dos pensamentos e tentativas de suicídio e de todo o inferno que habitava em mim”, comemorou a jovem.

Tem cura, sim!

Assim como Cláudia, qualquer pessoa que deseja ser livre da depressão e pensamentos suicidas também pode. Basta dar uma chance à fé, assim como ela fez.

Bispo Edir Macedo, em uma publicação em seu blog, esclarece que a depressão e o suicídio são problemas espirituais. “Que droga medicinal é capaz de curar uma enfermidade espiritual? Quantas pessoas se suicidam, após crises depressivas? E o que as filosofias freudianas têm feito para reverter tal quadro? Nada!”, aponta o Bispo, acrescentando que  se o problema é de origem espiritual, sua solução também é espiritual.

E acrescentou: “Em se tratando de problema espiritual não há como evitar apelar para a fé”.

Se você está passando por situações difíceis, tem se sentido extremamente triste e vazio, não encontra sentido para continuar vivendo e tem pensado até em tirar a própria vida, participe de um dos encontros que acontecem na Universal.

Especialmente, às sextas-feiras, em diversos horários, há reuniões especiais e orações pela cura da almaProcure aqui uma Universal mais perto de sua casa e compareça.

Fonte: Universal.org

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.

14 − três =