Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Mato Grosso
Cuiabá
Goiás
GoiâniaAnápolis
Nordeste
Sergipe
Aracajú
Ceará
Fortaleza
João Pessoa
João Pessoa
Alagoas
Maceió
Rio Grande do Norte
Natal
Pernambuco
RecifeGaranhuns
Bahia
SalvadorFeira de SantanaIlhéusItabuna
Maranhão
São Luiz
Piauí
Teresina
Norte
Pará
Belém
Roraima
Boa Vista
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Tocantins
Palmas
Rondônia
Porto Velho
Acre
Rio Branco
Sudeste
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Rio de JaneiroAngra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéVolta Redonda
São Paulo
São PauloAraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaiLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposTaubatéSorocabaVotuporanga
Espírito Santo
Vitória
Sul
Paraná
CuritibaPonta GrossaFoz do IguaçuCascavelLondrinaMaringá
Santa Catarina
FlorianópolisBlumenauCriciúma
Rio Grande do Sul
Porto AlegrePelotasRio GrandeSanta Maria

Conheça o primeiro dos 7 tipos de pessoas perversas e incrédulas

O Bispo Júlio Freitas tem falado sobre cada um deles no programa “Obreiros em Foco”. Entenda

Conheça o primeiro dos 7 tipos de pessoas perversas e incrédulas

No livro de Apocalipse, o Senhor Jesus cita uma lista de pessoas perversas e incrédulas que se caracterizam por suas obras más e, principalmente, por se recusarem a se arrepender de seus pecados.

E apesar de tanta corrupção, catástrofes, injustiças e guerras que temos presenciado, essas pessoas se recusam a se voltar para Deus, permanecendo em suas maldades e tornando-se cada vez mais incrédulas e revoltadas contra Deus, lamenta o Bispo Júlio Freitas.

O primeiro tipo é o incorrigível. Aquele que se recusa a se arrepender dos seus erros e a crer em Deus. Mesmo diante de tantos fatos incontestáveis da ressurreição do Senhor Jesus e mesmo diante do testemunho de tantas vidas transformadas, ele ainda se recusa a crer.

Contudo, o Bispo Júlio afirma que ainda há chance para você que está cometendo esse erro, mas alerta: “Saiba que nem Deus nem a igreja condena qualquer pecador, mas para que você seja livre do juízo que está prestes a vir aos que rejeitam a libertação, o perdão e a Salvação Divina, você precisa decidir abandonar seus erros e se voltar para Deus”.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.

14 + dezesseis =