Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Mato Grosso
Cuiabá
Goiás
GoiâniaAnápolis
Nordeste
Sergipe
Aracajú
Ceará
Fortaleza
João Pessoa
João Pessoa
Alagoas
Maceió
Rio Grande do Norte
Natal
Pernambuco
RecifeGaranhuns
Bahia
SalvadorFeira de SantanaIlhéusItabuna
Maranhão
São Luiz
Piauí
Teresina
Norte
Pará
Belém
Roraima
Boa Vista
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Tocantins
Palmas
Rondônia
Porto Velho
Acre
Rio Branco
Sudeste
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Rio de JaneiroAngra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéVolta Redonda
São Paulo
São PauloAraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaiLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposTaubatéSorocabaVotuporanga
Espírito Santo
Vitória
Sul
Paraná
CuritibaFoz do IguaçuCascavelLondrinaMaringá
Santa Catarina
FlorianópolisBlumenauCriciúma
Rio Grande do Sul
Porto AlegrePelotasRio GrandeSanta Maria

O fator essencial para ter sucesso nos negócios

Muitas empresas fecham nos cinco primeiros anos de existência e nem sempre é por falta de conhecimento do empreendedor. Descubra as características que fazem a diferença quando o assunto é prosperidade

O fator essencial para ter sucesso nos negócios

Muitas pessoas sonham em ter o próprio negócio e aumentar seus ganhos, mas o fato é que grande parte desses empreendedores não consegue realizar esse desejo. Um levantamento realizado pelo Sebrae apontou que 29% dos microempreendedores individuais (os MEIs) desistem do negócio antes que ele complete cinco anos. Entre as microempresas, a taxa de encerramento ficou em 21,6% e entre os empreendimentos de pequeno porte foi de 17%.

Entre as justificativas, os empreendedores relatam falta de dinheiro em caixa, baixo volume de vendas e escassez de clientes, mas, muitas vezes, por trás dessas situações visíveis, há razões que estão relacionadas mais ao comportamento do empreendedor do que aos resultados apresentados pelo empreendimento. Por exemplo, há quem acredite que, ao abrir o próprio negócio, o lucro será imediato. Outros creem que poderão trabalhar apenas quando desejarem. Com esses pensamentos, que são verdadeiros mitos, o empreendedor pode acumular decepções e ficar desanimado com o próprio sonho.

Rico ou próspero?
Antes de abrir um negócio próprio é preciso entender o que está por trás desse desejo. Claro que um empreendedor bem-sucedido vê o resultado de seu trabalho por meio da geração de patrimônio, mas o dinheiro e as conquistas materiais seriam a solução para todos os problemas ou sinônimo de realização?

Para responder a essa questão, basta olhar para os milionários que desistiram da vida, foram acometidos por uma doença sem cura ou não conseguiram ser felizes na vida amorosa.

Assim, a primeira dica para quem quer realmente alcançar o sucesso é buscar a prosperidade e deixar de correr atrás de dinheiro. “Prosperidade é ser bem-sucedido em todas as áreas da vida, é ter uma vida completa, tendo como base a vida espiritual alicerçada na Palavra de Deus, quando se reconhece que o seu bem mais durável é a sua alma”, explica o Bispo Leandro Zangarini, responsável pelas reuniões de segunda-feira no Templo de Salomão.

Tendo essa consciência, o empreendedor não será enganado por sua ganância nem se sentirá assediado pela corrupção, pelos caminhos errados ou por aqueles investimentos com ganhos rápidos que só trazem prejuízo no futuro. Ao priorizar a vida espiritual, ele entenderá que é necessário plantar de forma correta para colher bons frutos. “Em tudo na vida precisamos agir com equilíbrio. Focar apenas na vida financeira demonstra esta falta de equilíbrio, que, consequentemente, pode gerar diversos problemas. Exemplo disso são pessoas que se dedicam demasiadamente ao trabalho pelo resultado financeiro, mas não têm o mesmo empenho na dedicação à família, como se algo material ou que tenha preço pudesse substituir atitudes da pessoa ali presente. Outro exemplo é em relação à própria saúde, pois com a falta de atenção a essa área podem surgir diversos problemas gerados por esse descuido”, destaca o Bispo Zangarini.

O poder que vem do Alto
Quando se fala em Espírito Santo, trata-se do Espírito do Próprio Deus que é derramado sobre aqueles que creem e que se dispõem a colocar nas mãos dEle toda a sua vida. Essa entrega inclui todos os “achismos” e as vontades próprias, assim como as dúvidas, os medos e as inseguranças. A pessoa precisa fazer uma troca: sua vida sem forma pela Presença de Deus em seu ser.

E quem sabe mais sobre a realização e as necessidades do ser humano que o Próprio Deus? “O Espírito Santo é indispensável e essencial, pois Ele é quem guia, dirige, inspira, orienta e capacita uma pessoa para que ela possa chegar ao seu objetivo e até muito mais do que ela possa imaginar. Sem o Espírito Santo a pessoa se torna limitada, alguém que pauta suas decisões conforme as circunstâncias e não conforme a Palavra de Deus”, diz o Bispo.

No dia a dia de um empreendedor o que não faltam são circunstâncias e situações que tentam tirar sua paz. E nos momentos difíceis é possível diferenciar os que possuem o Espírito da Excelência e os que não O possuem. “A pessoa que tem o Espírito Santo tem a segurança e a certeza que sua vida está no controle de Deus. Situações adversas, problemas, perdas, injustiças e pandemia não tiram essa certeza e essa segurança, pois não há mais nada a temer. A sua conduta de estar com o Espírito Santo em verdade traz esta Paz, que não há nada neste mundo que substitua. Já a pessoa que não tem o Espírito Santo vive com medo, dúvida e receio. Sendo assim, suas atitudes e escolhas são baseadas nesses sentimentos”, explica o Bispo Zangarini.

Em um mundo marcado por incertezas sobre o amanhã, só será verdadeiramente bem-sucedido aquele que tem um Pacto com Deus.

Para aprender mais e saber como alcançar esse Espírito inabalável, participe das palestras que acontecem gratuitamente às segundas-feiras no Templo de Salomão, em São Paulo, e em todas as Universal do Brasil. Consulte os endereços na página 32 ou pelo site universal.org/localizar.

fonte: Universal.org

Você é uma mulher perseverante?

Nada que é feito sem constância traz bons resultados ou melhorias

Você é uma mulher perseverante?

A evolução só acontece quando há constância. Isso vale para situações pessoais, profissionais e até para a vida espiritual.

Muitas mulheres querem se aperfeiçoar em algo, mudar de atitude ou melhorar suas condições financeiras, porém, são imediatistas e inconsistentes, o que faz com que não alcancem os resultados que esperam. Quantas vezes você, leitora, começou um curso, mas não o finalizou? Quantas vezes começou uma dieta mais saudável, mas, com o passar do tempo, decidiu voltar aos antigos hábitos alimentares? Quantas vezes você deixou de atingir suas metas porque não foi persistente?

Para realizar mudanças e alcançar novos resultados em qualquer área da vida é preciso lutar continuamente até chegar ao objetivo que foi traçado, sem desistir no meio do caminho. Do mesmo modo, não adianta agir apenas em um único momento e esperar resultados fáceis e rápidos.
Assim como o trabalho e os relacionamentos, a vida espiritual também precisa de manutenção diária e persistência.

A Salvação, por exemplo, não depende apenas de uma ação isolada, mas de dedicação, orações, votos e sacrifícios, entre outras atitudes.

Quem deseja crescer espiritualmente precisa entender que não basta apenas fazer uma oração ou participar de uma única reunião. De nada vale pedir perdão em um momento e, em seguida, voltar a cometer os mesmos erros.

A mulher que deseja se superar, fazer mudanças na própria vida e receber o Espírito Santo precisa ser constante em suas atitudes. Para aprender algo, é preciso estudar com frequência. O mesmo vale para quem deseja evoluir em seu relacionamento com Deus.

Durante uma meditação exclusiva no Univer Vídeo, a colunista Cristiane Cardoso abordou esse assunto e destacou a história de Abinadabe e Obede-Edom. Abinadabe ficou com a Arca da Aliança em sua casa por mais de 20 anos, porém, a Bíblia não relata nenhuma mudança em sua vida. ObedeEdom, por sua vez, teve resultados bem diferentes, como indicam as Escrituras Sagradas: “E ficou a arca do Senhor em casa de ObedeEdom, o giteu, três meses; e abençoou o Senhor a Obede-Edom, e a toda a sua casa”. (2 Samuel 6.11).

Com base nesse trecho, Cristiane explicou por que a constância é necessária na vida espiritual. “Eles tratavam a Arca e as coisas de Deus de qualquer forma, então foi como se ele (Abinadabe) recebesse o Espírito de Deus e não fizesse mais nada e, por isso nada aconteceu.”

Obede-Edom, por sua vez, lidou com a Presença de Deus de modo diferente e isso levou o Senhor a
abençoá-lo em pouco tempo. Cristiane enfatizou que cada pessoa precisa estar em evolução todos os dias e, para isso, é preciso ser perseverante. “Nós temos que ser constantes, sempre para cima, e lá no final é o céu. Com essa constância, você vai se aperfeiçoando, ficando melhor, mais vazia de si mesma e chegará ao céu com Jesus. Essa é a meta e o cronograma do cristão que tem o Espírito Santo”, disse.

fonte: Universal.org

Tempo livre de sobra é bom mesmo?

Resultados de estudos científicos podem surpreender você

São cada vez mais comuns as reclamaçõse de falta de tempo. Frequentemente, dizemos ou ouvimos alguém dizer que “não tem tempo para nada”. A correria do dia a dia gera descontentamento. Quase todos parecem cansados demais e sem condições de se dedicar a projetos pessoais, como estudos e viagens. Muitos nem sequer conseguem dar atenção à família. E, diante de tudo isso, a impressão que fica é de que “não ter de fazer nada” é a solução para os problemas.

Viver no ócio costuma ser o sonho de quem tem uma rotina repleta de estresse.

No entanto essa ideia está sendo contestada cientificamente. Ao que parece, as consequências de ter tempo de sobra podem não ser tão benéficas quanto se imagina. Uma pesquisa divulgada recentemente no periódico científico Journal of Personality and Social Psychology aponta que o tempo livre em excesso pode diminuir as boas sensações advindas da combinação de conforto, saúde, segurança e contentamento para cada indivíduo.

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, resgataram dois antigos estudos. A partir deles, analisaram a relação entre bem-estar e tempo livre. O primeiro deles foi realizado entre 2012 e 2013. Nele, 21 mil participantes contavam o que haviam feito nas 24 horas imediatamente anteriores à entrevista e quanto tempo tinham gasto em cada tarefa, além de descreverem como se sentiam naquele momento.

O segundo estudo incluía dados de 13 mil participantes, coletados entre 1992 e 2008, com questões relacionadas ao tempo livre que cada um dispunha e ao nível de satisfação em sua vida. Cada participante respondia o questionário utilizando uma escala de 1 a 4, sendo que “1” representava insatisfação e “4” representava muita satisfação.

O resultado inesperado
Os pesquisadores verificaram que o período diário de duas horas de lazer parecia ser positivo para os indivíduos, mas os benefícios cessavam quando o tempo de ócio ultrapassava cinco horas. De acordo com os resultados, a queda do bem-estar em pessoas com muito tempo livre ocorria por causa da falta de senso de produtividade e propósito, ou seja, quem tem mais tempo para “ficar sem fazer nada” se sente infeliz e até estressado justamente por não ter o que fazer nem estar engajado em nenhuma tarefa.

Isso foi reforçado por dois experimentos on-line que reuniram dados de mais de seis mil voluntários. Os participantes que receberam as sete horas diárias para serem gastas em tempo improdutivo relataram baixo nível de bem-estar.

A partir dessas conclusões, os estudiosos reforçam a importância de manter o equilíbrio e adicionar à rotina atividades físicas ou mentalmente envolventes, além de atividades sociais e que envolvam a família e os amigos.
Em outras palavras, jogar tempo fora é também abrir mão da boa saúde – e da própria vida.

O que não foi dito sobre o tempo
O Bispo Renato Cardoso já fez reflexões sobre o uso do tempo. De acordo com ele, “a falta de tempo parece ser o principal motivo de a maioria das pessoas não conseguir realizar tarefas importantes no dia a dia, como atividade física, leitura bíblica, passear com a família, ir à igreja, entre outras. Os mais disciplinados dirão que isso não passa de uma desculpa. Contudo essas pessoas estão certas quando alegam que não têm tempo porque, na verdade, nenhum de nós o tem. O tempo é que nos possui”.

Por isso, a própria Bíblia relata que “as mãos diligentes governarão, mas os preguiçosos acabarão escravos.” (Provérbios 12.24). Essa escravidão envolve não necessariamente submissão a outros, que conquistarão mais por trabalharem, mas, principalmente, a submissão a si próprio: o ocioso é escravo de suas más escolhas.

O Bispo destaca que quando alguém não honra o Dono do Tempo paga o preço: “você desperdiça o tempo e o tempo desperdiça você. Você precisa aprender como utilizar bem o seu tempo. Uma das coisas mais importantes que eu já aprendi sobre o tempo é que ele é sempre agora. Isso significa que eu preciso aprender a usá-lo agora! Ontem e amanhã nunca estão aqui, é sempre hoje!”. E jogar o hoje fora é jogar fora a própria vida.

fonte: Universal.org

Você conhece a verdadeira riqueza?

Quem tem a visão bloqueada confunde prosperidade com dinheiro. Descubra o que é ser rico nas reuniões que ocorrem às segundas-feiras na Universal

A reunião realizada no dia 4 de outubro, no Templo de Salomão, em São Paulo, trouxe grandes revelações sobre prosperidade. Nela, os participantes aprenderam a identificar algumas falsas crenças sobre a riqueza.

O Bispo Renato Cardoso iniciou a palestra explicando que, quando a visão de uma pessoa está bloqueada, ela não consegue ver o que está diante dela. “Isso acontece na vida financeira. Muitas pessoas estão com os olhos, com a visão espiritual, bloqueados. Por isso, você não consegue enxergar uma saída ou não consegue enxergar que talvez a pessoa que está fazendo negócios com você esteja armando algo para enganar você ou que você está prestes a fazer um mau negócio porque sua visão está fechada. Deus é quem abre a visão aos cegos, como está escrito”, disse.

O Bispo pontuou que, se uma pessoa deseja que Deus cumpra a Palavra dEle, precisa aprender antes a manter a palavra em tudo que fizer. Nesse sentido, o Bispo afirmou que a palavra vale mais do que ouro e dinheiro. “Você quer prosperar? Aprenda a ser uma pessoa de palavra, começando com Deus e, depois, consigo mesmo e com as outras pessoas. Se prometer algo a si mesmo, cumpra. Se você disser a si mesmo ‘amanhã vou acordar às seis da manhã’, acorde e levante da cama às seis da manhã.”

QUAL É A SUA ESCOLHA?
Se pudesse escolher, você seria pobre sem o Espírito Santo, pobre com o Espírito Santo, rico sem o Espírito Santo ou rico com o Espírito Santo? Essa questão foi abordada pelo Bispo Renato durante a pregação. Ele afirmou que a alternativa escolhida pela maioria certamente seria a última – afinal, todo mundo quer ser rico materialmente e ainda ter o Espírito Santo. No entanto, antes de fazer essa escolha, você precisa entender Quem é o Espírito Santo, por que Ele é tão importante e o que isso tem a ver com a sua vida material.

Ele ainda esclareceu que quem é rico sem o Espírito Santo tem dinheiro, mas só isso: “é o famoso tão rico que só tem dinheiro ou tão pobre que só tem dinheiro”. Segundo ele, muitas pessoas ricas neste mundo são, na verdade, pobres porque não têm a riqueza do Espírito Santo.

Foco errado
O Bispo alertou que o grande erro da maioria das pessoas dentro da Igreja é buscar as riquezas materiais com mais força do que as espirituais. “Quando você se torna rico materialmente, mas não tem o Espírito Santo, você continua pobre e, pior, com a ilusão de que é rico e que está arrebentando. Ou seja, pior do que o pobre sem o Espírito Santo é o rico sem o Espírito Santo, porque para que ele se converta é muito mais difícil”, advertiu.

Ele comentou ainda que Jesus falou disso, como está descrito em Lucas 18.25: “é mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que entrar um rico no Reino dos Céus”. Ele ressaltou que isso não significa que a riqueza seja pecado, mas ponderou que a tendência do rico é confiar em sua riqueza, fazer dela o seu deus e que esse é o grande problema.

O Bispo Renato citou ainda as Palavras de Jesus durante uma pregação, quando foi indagado sobre a divisão de uma herança, conforme está escrito em Lucas 12.14-15: “Homem, quem me pôs a mim por juiz ou repartidor entre vós? E disse-lhes: Acautelai-vos e guardai-vos da avareza; porque a vida de qualquer não consiste na abundância do que possui”.

Ele observou também que o Senhor Jesus separou dinheiro e alma, pois ter os celeiros cheios é diferente de ter a alma salva e a certeza da Salvação. De acordo com ele, muitos só pensam em juntar bens para si, mas a questão é que ninguém será recebido no céu por conta de seu saldo bancário. “Ser rico para com Deus é quando você entende que o bem mais durável que você tem é a sua alma, pois ela é eterna. Quando a pessoa entende o valor da alma, passa a investir nela em primeiro lugar e muito mais naquilo que é eterno do que no que é temporário. Ser rico para com Deus é cuidar da Salvação, blindar a Salvação e ter o Espírito Santo morando dentro de si.”

O Bispo informou que, com a visão de se tornar rico para com Deus, a Universal inaugurou um novo Congresso para o Sucesso. Na ocasião, os participantes receberam a Arca da Aliança e foram convidados a firmar um propósito semelhante ao de Obede-Edom, que, conforme a Bíblia, prosperou ao hospedar a Arca por três meses em sua casa e entender que precisava ter uma Aliança com Deus. Da mesma forma, todos que priorizarem o Espírito Santo nos últimos três meses de 2021 vivenciarão grandes transformações. Se você busca mudanças, participe das reuniões que ocorrem às segundas-feiras na Universal.

fonte: Universal.org