Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Mato Grosso
Cuiabá
Goiás
GoiâniaAnápolis
Nordeste
Sergipe
Aracajú
Ceará
Fortaleza
João Pessoa
João Pessoa
Alagoas
Maceió
Rio Grande do Norte
Natal
Pernambuco
RecifeGaranhuns
Bahia
SalvadorFeira de SantanaIlhéusItabuna
Maranhão
São Luiz
Piauí
Teresina
Norte
Pará
Belém
Roraima
Boa Vista
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Tocantins
Palmas
Rondônia
Porto Velho
Acre
Rio Branco
Sudeste
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Rio de JaneiroAngra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéVolta Redonda
São Paulo
São PauloAraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaiLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSorocabaVotuporanga
Espírito Santo
Vitória
Sul
Paraná
CuritibaFoz do IguaçuCascavelLondrinaMaringá
Santa Catarina
FlorianópolisBlumenauCriciúma
Rio Grande do Sul
Porto AlegrePelotasRio GrandeSanta Maria

Quem é você diante de Deus?

A parábola do fariseu e do publicano reflete o que há no interior de cada um. Trecho bíblico foi retratado na novela Jesus

Quem é você diante de Deus

Algumas lições do livro de Lucas, no capítulo 14, ganharam vida e puderam ser acompanhadas pelos telespectadores da novela Jesus, reprisada pela Record TV. Durante o capítulo 46, foi retratada a cena do fariseu e do publicano em uma parábola contada por Jesus. Na superprodução, Jesus é interpretado por Dudu Azevedo; o publicano, Mateus, por Gabriel Gracindo; e o fariseu, Jairo, por Felipe Cunha.

A cena mostra que tanto o publicano, que era um coletor de impostos, como o fariseu, um religioso erudito, foram ao templo realizar suas preces, mas de formas distintas, conforme a passagem bíblica: “E disse também esta parábola a uns que confiavam em si mesmos, crendo que eram justos, e desprezavam os outros: Dois homens subiram ao templo, para orar; um, fariseu, e o outro, publicano. O fariseu, estando em pé, orava consigo desta maneira: Ó Deus, graças te dou porque não sou como os demais homens, roubadores, injustos e adúlteros; nem ainda como este publicano. Jejuo duas vezes na semana, e dou os dízimos de tudo quanto possuo. O publicano, porém, estando em pé, de longe, nem ainda queria levantar os olhos ao céu, mas batia no peito, dizendo: Ó Deus, tem misericórdia de mim, pecador! Digo-vos que este desceu justificado para sua casa, e não aquele; porque qualquer que a si mesmo se exalta será humilhado, e qualquer que a si mesmo se humilha será exaltado.” (Lucas 18.9-14).

Recentemente, o Bispo Edir Macedo comentou a respeito dessa parábola durante uma reunião em uma viagem missionária. “O religioso, aparentemente, tinha uma Fé extraordinária, era fiel à esposa, homem justo, não era ladrão e ainda era dizimista e o outro era totalmente o contrário. Mas o pecador saiu leve, livre, liberto, com uma vida nova. E o religioso, que se justificava tentando chamar a atenção de Deus, saiu como entrou.”

Ele salientou que só Deus nos conhece. “Você é conhecido por seus entes queridos e amigos, mas eles não conhecem o que está dentro de você. Deus, porém, sabe quem você é. Ele conhece o seu caráter, se você é uma pessoa sincera ou fingida, autêntica ou hipócrita.”

MUITO ATUAL
Tanto o publicano quanto o fariseu entraram no templo como pecadores. No entanto o primeiro reconheceu seus erros e o segundo apenas fez um “teatro”, enganando mais a si mesmo do que aos outros.

Podemos entender que o publicano representa a justiça de Deus pela Fé dada a quem sequer se acha merecedor dela, enquanto o fariseu, teoricamente, é um praticante da lei que se enxerga superior por seus esforços religiosos e se deleita no exercício de contemplar as próprias obras, mas sem olhar para dentro de si e se surpreender com a provável sujeira espiritual contida ali.

Os fariseus representam a hipocrisia enrustida por detrás de um título, uma posição, o tempo de Igreja e o uso de uniforme. Como eles, muitos ignoram a realidade espiritual e perdem a própria Salvação.

POR QUE POR PARÁBOLAS?
Certa vez, os próprios discípulos perguntaram a Jesus o porquê do uso de parábolas. A Bíblia diz: “Ele, respondendo, disse-lhes: Porque a vós é dado conhecer os mistérios do reino dos céus, mas a eles não lhes é dado; (…); Por isso lhes falo por parábolas; porque eles, vendo, não veem; e, ouvindo, não ouvem nem compreendem. E neles se cumpre a profecia de Isaías, que diz: Ouvindo, ouvireis, mas não compreendereis, e, vendo, vereis, mas não percebereis. Porque o coração deste povo está endurecido (…) Mas, bem-aventurados os vossos olhos, porque veem, e os vossos ouvidos, porque ouvem (…).” (Mateus 13.11-17).

O que Jesus esperava com as parábolas era que os ouvintes não se mantivessem mergulhados na superficialidade espiritual ocasionada, dentre tantas coisas, pela aparência religiosa. A Palavra de Deus é direta. Há consolo, mas também há repreensão e nem todos estão dispostos a escutar a Verdade dEla.

A ORAÇÃO
A parábola do fariseu e do publicano nos faz refletir que a oração sincera, que surge do íntimo, é a que Deus responde, enquanto a oração feita por prática religiosa é inoperante. Portanto, precisamos fazer a nossa parte. Deus faz a que cabe a Ele depois que fizermos a nossa.

Fonte: Universal.Org


Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.

três × 3 =