Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Mato Grosso
Cuiabá
Goiás
GoiâniaAnápolis
Nordeste
Sergipe
Aracajú
Ceará
Fortaleza
João Pessoa
João Pessoa
Alagoas
Maceió
Rio Grande do Norte
Natal
Pernambuco
RecifeGaranhuns
Bahia
SalvadorFeira de SantanaIlhéusItabuna
Maranhão
São Luiz
Piauí
Teresina
Norte
Pará
Belém
Roraima
Boa Vista
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Tocantins
Palmas
Rondônia
Porto Velho
Acre
Rio Branco
Sudeste
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Rio de JaneiroAngra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéVolta Redonda
São Paulo
São PauloAraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaiLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSorocabaVotuporanga
Espírito Santo
Vitória
Sul
Paraná
CuritibaFoz do IguaçuCascavelLondrinaMaringá
Santa Catarina
FlorianópolisBlumenauCriciúma
Rio Grande do Sul
Porto AlegrePelotasRio GrandeSanta Maria

Por que cristãos ainda são perseguidos?

Os perseguidores agem desde os tempos do Novo Testamento, direta ou indiretamente, com novas táticas na atualidade 

Por que cristãos ainda são perseguidos? 

Calcula-se que mais de 260 milhões de cristãos são perseguidos no mundo. Governos confiscam e destroem igrejas, como na China comunista. Seguidores do Senhor Jesus são ameaçados, expulsos de suas cidades e até mortos em outros países. Fala-se muito em liberdade de expressão e de credo, mas, na prática, é bem evidente que ela não faz parte da realidade como muitos pensam.

A organização internacional Portas Abertas, voltada para a disseminação da Palavra Sagrada e defesa de cristãos perseguidos, publicou no começo deste ano a Lista Mundial da Perseguição (LMP) 2020, segundo a qual houve um aumento de 6% na perseguição. Foram 254 milhões em 2018 e cerca de 260 milhões em 2019. Os dados mostram que um a cada oito cristãos enfrenta perseguições de leves a severas e alguns são assassinados, mas a realidade pode ser ainda pior, pois os números apontam só o que foi possível contar.

A Coreia do Norte lidera o ranking dos 50 países mais perigosos para os cristãos há mais de dez anos. A Nigéria é onde mais se mata quem segue a fé cristã, com 3.731 assassinados em 2018 e 1.350 em 2019. No mundo, foram mortos violentamente 2.983 pessoas em 2019.

O número de ataques a locais de culto cristãos foi de quase 9,5 mil, segundo a LMP 2020, sendo que no levantamento anterior foram cerca de 1,8 mil. A já citada China é campeã na quantidade de cristãos presos e condenados sem julgamento só por seguirem ou pregarem a fé no Senhor Jesus. Um exemplo na América do Sul é a Colômbia, 41ª colocada neste ranking. O Portas Abertas alega que adeptos do islamismo fundamentalista, do comunismo e membros do crime organizado são alguns dos maiores perseguidores.

Por que ainda hoje? 
Desde os tempos em que o Senhor Jesus caminhava sobre a Terra, Ele e Seus seguidores são perseguidos, como Ele mesmo deixou claro que aconteceria: “E odiados de todos sereis por causa do Meu nome; mas aquele que perseverar até ao fim, esse será salvo” (Mateus 10.22). Sim, o Messias antecipou que o diabo se levantaria, usando outros seres humanos para combater a disseminação de que o ser humano pode ser mais próximo de Deus por meio de Seu Filho. Uma pessoa desconectada do Salvador e do Altíssimo é presa bem mais fácil para satanás.

O próprio Senhor Jesus foi crucificado. Romanos perseguiam, torturavam e matavam cristãos. O islamismo e o comunismo, ao longo das eras, tentaram barrar o avanço da liberdade em Deus. Por que isso continua, apesar de – pelo menos aparentemente – a Humanidade ter evoluído?

É um claro sinal do Fim dos Tempos que seres humanos se voltem uns contra os outros e o amor entre eles se esfrie, como previsto em Apocalipse. Não é surpresa que usem o maior bem que alguém poderia fazer – mostrar ao próximo a possibilidade da Salvação –como motivo para ser perseguido. O mal não se interessa que as pessoas tenham vida plena na Terra e sejam salvas depois dela. Quanto menos esperança e amor, melhor.

Nesses tempos de pragas mundiais, de doenças e Humanidade mais fria, não são só os ataques diretos como os delatados pela LMP que tentam impedir o avanço da Palavra. Quem segue o Senhor Jesus e vive como tal precisa estar atento a outros tipos de ataques disfarçados: a mídia ruim pregando o pecado como a vida ideal e pessoas que levam outras a vícios, devassidão e tentam convencê-las de que a vida tradicional em família é coisa do passado fazem, silenciosamente, ainda mais estragos, afastando mais e mais pessoas de Deus. Mesmo que aqueles ataques diretos que o Portas Abertas denuncia terminassem, esses outros tipos camuflados ainda constituem um perigo ainda maior. É preciso ficar mais atento a isso.

Fonte: Universal.Org

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.

onze + dezenove =